Afaste os mosquitos com soluções naturais

Certas plantas têm componentes repelentes, como por exemplo, a hortelã-pimenta, o alecrim, a citronela, a alfazema, o manjericão. Poderá encher recipientes com algumas destas ervas e colocá-los ao pé das janelas; outras sugestões: adicionar algumas gotas de óleo essencial de alfazema ou citronela a pedaços de algodão e espalhar pela casa ou pendurar raminhos destas ervas em diferentes locais da casa; A difusão de óleos essenciais repelentes também é uma boa opção.

Limão com cravinho – cortar um limão ao meio, espetar vários cravinhos e colocar próximo das janelas.

Vela de Citronela Bio

Notas: para 50 ml de cera colocar cerca de 20 gotas de óleos essenciais, para 100 ml cerca de 40; Também poderá utilizar outros óleos essenciais repelentes, por exemplo, hortelã-pimenta,  eucalipto, etc.

Procedimento:

Derreter a cera de abelha em banho-maria (lume brando).

Mergulhar o pavio na cera, retirar (com a ajuda de uma espátula) e colocar numa folha de papel vegetal, esticar e/ou endireitar o pavio e deixar secar (todo este processo ajuda o pavio a manter-se direito, torna a vela mais fácil de acender e ajuda-a a queimar mais lentamente). Quando o pavio estiver seco, colocá-lo no ilhó e apertar a base (saiba mais aqui).

Poderá colocar o ilhó com o pavio no centro do copo ou então colocar o pavio entre dois paus, prender com fita-cola e depois colocar no centro do copo.

Quando a cera estiver derretida, retirar do calor e ir mexendo. Adicionar o óleo essencial de citronela, mexer bem e despejar a mistura no copo/frasco (esta não deve estar nem muito líquida nem muito espessa). Deixar solidificar.

Spray Repelente Natural

Vai precisar de:

Procedimento:

Com a ajuda de um funil, deitar a glicerina no frasco spray, adicionar os óleos essenciais e agitar. Adicionar água até encher o frasco. Agitar bem. Aplicar sempre que necessário.

 

Dicas para melhorar a qualidade do ar interior

De acordo com os estudos realizados pela EPA (Agência de Protecção Ambiental Americana), a poluição do ar dentro de uma casa ou de um escritório pode ser 2 a 5 vezes superior à do ar de uma rua (1), podendo contribuir para vários problemas de saúde. A EPA classificou a poluição do ar interior entre os cinco principais riscos ambientais para a saúde pública (1).

Entre as principais fontes de poluentes, encontram-se os produtos químicos presentes em produtos que utilizámos todos os dias como por exemplo nos ambientadores e nos produtos de limpeza e higiene pessoal.

Propomos algumas dicas para melhorar a qualidade do ar interior:

  • Ter plantas que purifiquem o ar dentro de casa

Em 1989, a NASA publicou os resultados de um estudo (Interior Landscape Plants for Indoor Air Pollution Abatement) (2) que determinou quais as plantas mais indicadas para filtrar o ar num ambiente fechado. Durante a realização desse estudo foram considerados os poluentes mais comuns: benzeno, tricloroetileno e formaleído. Algumas das plantas estudadas e capazes de filtrar o ar foram: lírio da paz (Spathiphyllum “Mauna Loa”), crisântemos (Chrysanthemum morifolium), espada de São Jorge (Sansevieria trifasciata), hera inglesa (hedera helix), dracena (Dracaena marginata); Mais recentemente, em 2016, o Dr. Vadoud Niri da State University of New York apresentou os resultados de um estudo em que comparou a eficácia de cinco plantas de interior na remoção de oito poluentes do ar. Tal como já havia sido demonstrado em estudos anteriores (3), algumas plantas têm maior capacidade de remover certos poluentes do que outras, por exemplo, a dracena (Dracaena fragrans) foi a mais eficaz na absorção de acetona. A bromélia (Guzmania lingulata) foi a mais eficiente de todas, uma vez que conseguiu limpar 80% de seis dos oito poluentes testados num período de 12 horas (4). Como algumas plantas são mais eficazes a remover determinadas substâncias do que outras (3), a variedade é importante (5).

  • Arejar a casa para renovar o ar

Segundo a Deco, arejar a casa durante 10 minutos duas vezes por dia, mesmo no inverno, é a melhor forma de garantir um bom ambiente (6)

  • Substituir os ambientadores tóxicos por óleos essenciais ou outros ingredientes naturais para perfumar naturalmente a casa

Sugestões: adicionar algumas gotas de óleo essencial de limão a um borrifador com água. Agitar bem e borrifar esta mistura pelo ar. O óleo essencial de limão (citrus limonum) possui propriedades anti-sépticas, antibacterianas e desodorizantes. Devido a essas propriedades é útil  para desinfectar e desodorizar o ambiente; difusão de óleos essenciais: basta colocar algumas gotas de óleos essenciais purificantes num difusor; colocar cascas de citrinos e canela numa panela com água e levar ao lume, deixar ferver para que o aroma acolhedor se propague pela casa; colocar alfazema seca em pequenos sacos ou fazer pequenos ramos e colocar na casa de banho, nos armários e gavetas; fazer um difusor de ambiente ecológico (saiba como aqui).

Sugestões: as toalhitas de limpeza reutilizáveis são uma forma ecológica de limpar as bancadas, os azulejos e superfícies com ingredientes naturais e saudáveis. Veja como fazer as suas aqui; se preferir, faça o seu próprio líquido de limpeza multi-usospara limpar as carpetes e tapetes (que tendem a acumular partículas prejudiciais), misturar uma chávena de bicarbonato de sódio, 10 gotas de óleo essencial de limão e 10 gotas de óleo essencial de alfazema. “Polvilhar” as carpetes e os tapetes, deixar actuar durante 5 minutos e aspirar;  experimentar lavar a roupa com nozes saponárias: a casca destas nozes contém saponina (propriedades bactericidas) que ao entrar em contacto com a água se dissolve e cuja acção é semelhante à do sabão. Além de não poluírem a água ou o ambiente, são biodegradáveis (podem ser reutilizadas como fertilizantes nos vasos e canteiros).

(1) http://www.epa.gov

(2) https://ntrs.nasa.gov/archive/nasa/casi.ntrs.nasa.gov/19930073077.pdf

(3) https://en.wikipedia.org/wiki/NASA_Clean_Air_Study#Chart_of_air-filtering_plants

(4) https://www.acs.org/content/acs/en/pressroom/newsreleases/2016/august/selecting-the-right-house-plant-could-improve-indoor-air-animation.html

(5) http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151127_plantas_poluicao_mdb

(6) Deco: ar interior dicas para melhorar

Créditos imagem: Eduard Militaru

As plantas medicinais e o sistema digestivo

Uma boa digestão é essencial para o bom funcionamento do organismo. Através do processo de digestão o corpo assimila e transforma os alimentos em energia necessária aos processos vitais. Se o nosso sistema digestivo estiver a funcionar mal pode haver um aumento de “bactérias e leveduras que fermentem os resíduos alimentares não digeridos, transformando-os em compostos reactivos”(4) que por sua vez podem ser reabsorvidos pelo organismo (auto-intoxicação).

Fortalecer e equilibrar o sistema digestivo para que os nutrientes sejam assimilados eficazmente é muito importante para a nossa saúde, especialmente nos dias de hoje devido ao stress e ao consumo de alimentos processados. Comer pausadamente, com a televisão desligada, mastigando bem os alimentos será uma grande ajuda, bem como, preferir alimentos de agricultura biológica. Outras sugestões:

  • Utilizar ervas-aromáticas e especiarias que auxiliem o processo digestivo: cardamomo, cravinho, gengibre, cominhos, açafrão-da-índia, orégãos, hortelã, salva, alecrim… Por exemplo, adicionar funcho, gengibre ou malvas às saladas melhora a digestão, bem como, comer durante a refeição (ou no fim) uma ou duas folhas de hortelã-pimenta. E sabiam que colocar segurelha na cozedura das leguminosas ajuda à sua digestão e evita a flatulência associada ao seu consumo?
  • Beber uma infusão de camomila, funcho, hortelã-pimenta, lúcia-lima ou gengibre antes ou após as refeições favorece a digestão.
  • Beber o chá Três anos (ou kukicha) melhora o funcionamento estomacal e intestinal e a bebida de kuzu (amido de uma raiz muito usada no Japão) fortalece o sistema digestivo.

Para aliviar náuseas, azia ou flatulência poderão utilizar as mesmas plantas referidas acima:

  • O gengibre alivia as náuseas e o enjoo do movimento, a hortelã-pimenta é tradicionalmente utilizada para aliviar as náuseas acompanhadas de dor de cabeça (ambas poderão ser utilizadas em infusão ou aplicar uma gota do óleo essencial num lenço ou bola de algodão e inalar) e a infusão de cidreira está indicada para náuseas devido a problemas emocionais.
  • As malvas e a camomila aliviam a azia.
  • As infusões de funcho, camomila, gengibre e hortelã-pimenta ajudam a combater a flatulência.

Em caso de indigestão além das infusões referidas acima, uma massagem na região abdominal com óleo essencial de camomila diluído num óleo base pode ajudar.

Por vezes as pessoas têm dificuldade em digerir certos alimentos devido ao mau funcionamento do fígado e da vesícula biliar. A alcachofra e o dente de leão são plantas conhecidas pela sua eficácia nestes casos. A alcachofra ajuda a proteger o fígado e alivia a indigestão. A infusão de dente de leão é benéfica para os problemas de fígado e da vesícula biliar, estimula a produção de bílis e auxilia a digestão. É também utilizada para ajudar o organismo a eliminar toxinas. O dente de leão pode usar-se fresco em saladas.

Nota: Esta informação destina-se a fins educacionais e não substitui, de forma alguma, aconselhamento com um profissional de saúde.

Fontes consultadas:

(1) Amanda Ursell. Vitaminas e minerais

(2)  Andrew Chevalier. Enciclopédia de plantas medicinais

(3) Fernanda Botelho. As plantas e a saúde: guia prático de remédios caseiros

(4) Jennifer Harper. Desintoxicação do corpo, da mente e do espírito.

(5) Vicki Pitman. Fitoterapia: as plantas medicinais e a saúde

Créditos imagem: Martin Walls

Alergias de primavera: dicas para ajudar a aliviar os sintomas

Com a chegada da primavera os jardins começam a despertar, as flores abrem-se e libertam o seu perfume delicioso e o sol convida-nos a sair e a fazer actividades ao ar livre. Para algumas pessoas é uma época mágica, para outras significa o aparecimento ou o agravamento das alergias devido, entre outras coisas, ao aumento da concentração de pólenes no ar. A alergia é uma resposta exagerado do sistema imunitário à presença de um agente estranho (como por exemplo o pólen). O organismo reage produzindo um composto inflamatório que provoca a congestão e lacrimação. Assim surgem, espirros, pingo e comichão no nariz, olhos vermelhos…

Algumas dicas para ajudar a aliviar os sintomas das alergias de primavera

  • Infusões

Urtiga e sabugueiro* –As folhas de urtiga têm propriedades antialérgicas e ajudam a diminuir os sintomas das alergias. As flores de sabugueiro ajudam a reduzir a inflamação e têm um efeito descongestionante. 2 a 3 chávenas por dia.

Gengibre e hortelã-pimenta – têm um efeito descongestionante. Pode beber até 4 chávenas por dia.

  • Soluções nasais de lavagem ou descongestionantes nasais

A limpeza das narinas com soluções de lavagem também pode ajudar a reduzir os sintomas ou a utilização de um spray nasal descongestionante à base de óleos essenciais.

  • Óleos essenciais

Utilizados em inalação e em difusão: alfazema, eucalipto, camomila. Pode colocar uma pequena quantidade de óleo essencial num lenço ou bola de algodão e inalar sempre que sentir necessidade ou fazer inalações de vapor. A aplicação de massagens também pode ser benéfica. Mistura para difusão: eucalipto, hortelã-pimenta e limão (tem um efeito descongestionante e ajuda a aliviar a dor de cabeça). Coloque algumas gotas no seu difusor (de acordo com as instruções do mesmo).

  • Alimentação

Os lacticínios, os amidos refinados e o açúcar que tendem a estimular a produção de muco, devem ser reduzidos ao mínimo ou eliminados por completo.

Para os olhos irritados e vermelhos, as compressas de água de rosas proporcionam um grande alivio.

Receita de um Remédio caseiro para alergias sazonais*

Vai precisar de

  • 1 chávena de bicarbonato de sódio
  • Algumas colheres de chá de água
  • Óleos essenciais –eucaliptohortelã-pimentaalecrimlimão, ou uma combinação destes. Podem adicionar também o óleo essencial de alfazema que ajuda a relaxar

Procedimento

  • Pré-aquecer o forno a 176º
  • A quantidade de água não é exacta porque dependerá da humidade. Colocar o bicarbonato de sódio num recipiente e adicionar uma pequena quantidade de água. Mexer bem e adicionar mais um bocadinho de água. Continuar a fazer isto até que a mistura fique com a consistência ideal (a mistura fica homogénea e mantém-se unida ao apertar)
  • Colocar em pequenas formas e levar ao forno pré-aquecido (15-20 minutos)
  • Retirar do forno e deixar arrefecer
  • Adicionar os óleos essenciais, uma gota de cada vez e pouca quantidade
  • Retirar das formas e guardar num frasco

Como utilizar

Colocar um “bloco” na base do chuveiro durante o banho. O “bloco” dissolver-se-á e os óleos essenciais serão libertado e difundidos através do vapor, ajudando a limpar a congestão. Tomar banho ao fim do dia também ajuda a eliminar o pó e o pólen.

*O xarope de sabugueiro também ajuda a promover a saúde sazonal.

Nota: Esta informação destina-se a fins educacionais e não substitui, de forma alguma, aconselhamento com um profissional de saúde.

Fontes consultadas

Andrew Chevallier, enciclopédia de plantas medicinais

O poder curativo das vitaminas e dos minerais

Patricia Davis, Aromaterapia

*Receita  retirado do site da Herbal Academy of New England

Créditos imagem | Sebastian Smit

Óleos essenciais: o que são e como nos podem ajudar?

O que são óleos essenciais?
“Um óleo essencial é a essência volátil extraída de plantas aromáticas por arrastamento ao vapor de água. Este contém corpos químicos muito complexos, que consistem em múltiplos agrupamentos moleculares bastante diversos, cada um com propriedades diferentes (Pranarôm).” Assim, um único óleo essencial pode ser útil para uma variedade de situações. De um modo geral, “os óleos essenciais ajudam-nos a manter o equilíbrio ideal que representa a saúde e o bem-estar” (Davis).
prana
Como se obtêm os óleos essenciais?
“A maior parte dos óleos essenciais são obtidos por destilação por vapor de água, sob baixa pressão. A destilação é um processo delicado, que exige experiência e uma supervisão constante. O processo consiste em fazer atravessar por vapor de água um recipiente próprio cheio de plantas aromáticas. À saída do destilador e sob pressão controlada, o vapor de água enriquecido com óleo essencial atravessa uma serpentina onde vai condensar. Na saída, um decantador, recolhe a água e o óleo essencial. A diferença de densidade entre os dois líquidos, permite uma separação facilitada do óleo essencial, recolhido por desbordamento. Outro processo reservado aos citrinos (tangerina, limão, laranja,…), consiste em partir mecanicamente as “bolsas de essência” das raspas frescas de citrinos para recolher as essências” (Pranarôm).
imagem1

Como actuam os óleos essenciais?

Os óleos essenciais entram no corpo de diferentes formas: as suas moléculas são absorvidas pela pele, passando para o sistema circulatório; podem também ser inaladas, entrando nos pulmões e introduzindo-se dessa forma na corrente sanguínea ou estimulando as células olfactivas que estão em contacto directo com o sistema nervoso.

Como usar os óleos essenciais?

Os óleos essenciais podem ser utilizados pelas suas propriedades terapêuticas, virtudes cosméticas ou apenas pelos maravilhosos aromas. Podem ser aplicados através de compressas, massagens, no banho, em inalações, em pomadas, misturados com cremes para ajudar na saúde de pele. Podem também ser utilizados para criar perfumes, para desinfectar e limpar a casa, entre outras coisas.

 Como é que os óleos essenciais nos podem ajudar?

“A estrutura de um óleo essencial é complexa, o que faz com que um óleo não possua apenas uma única propriedade terapêutica, mas sim múltiplas.”

Algumas dicas:

Alfazema latifólia (Lavandula spica): “a lavanda latifólia fornece um óleo essencial qualificado para urgências, este terá um efeito “miraculoso” no alívio, quase instantâneo, de queimaduras e picadas de vespa. Dica: em picadas de vespa, aplicar 2 gotas deste óleo essencial  a cada 5 minutos durante meia hora.

Canela da china (Cinnamomum cassia): o seu poder antisséptico polivalente, anti-infeccioso e antibacteriano de largo espectro de acção e a sua actividade poderosa, destroem 98% das bacterias patogénicas. Dica: adicionar 1% deste óleo essencial ao seu detergente ecológico (1 ml de óleo por 100 ml de detergente)(Baudoux) “o aroma quente faz dele um excelente tónico geral, ajuda a manter-nos despertos e atentos durante viagens longas; Dica: colocar 1 gota deste óleo essencial num cubo de madeira, ou num lenço ou pano e colocar no carro, ou pendurar no assento por exemplo (Baudoux).

Cipreste (Cupressus sempervirens):  é adstringente sendo útil em caso de transpiração excessiva; Dica: composição para pés quentes e transpiração excessiva: palmarosa 2 ml + cipreste 5 ml + lavandim 10 ml + hortelã-pimenta 2 ml – 3 gotas desta mistura, em fricção, de manhá e à noite nas plantas dos pés.

Citronela (Cymbopogon winterianus): repelente de insectos. Dica:para uso diário, 2 gotas de citronela e 2 gotas de palmarosa, na parte interior da gola do pijama ou na almofada, permitirão manter à distância todos os insectos.

Cravinho (Syzygium aromaticum ou Eugenia caryophylus): útil para acalmar dores de dentes pois actua como anestésico e é também um antibacteriano poderoso. Dica: diluir 2 gotas deste óleo em 10 gotas de óleo vegetal, aplicar com um cotonete na gengiva dolorosa.

Eucalipto Citriodora (Eucalyptus citriodora) ajuda a aliviar rapidamente áreas com inflamação. Dica: diluir a 30 ou 50% e aplicar na área afectada.tem uma acção repelente.

Gaultéria (Gaultheria fragantissima): ajuda a aliviar as dores musculares associadas ao trabalho excessivo, às dores de costas, à artrite e a todos os problemas músculo-esqueléticos (permite que os músculos se distendam e diminuam a inflamação das articulações, tendões). Dica: aplicar 2 gotas deste óleo diluídas em 2 gotas de óleo vegetal sobre a zona inflamada ou dolorosa.

Manjericão (Ocimum basilicum): antiespasmódico, em massagem sobre o abdómen (previamente diluído; 3 gotas deste óleo + 5 gotas de óleo vegetal) poderá aliviar dificuldades digestivas;

Niaouli (Melaleuca quinquenervia): é útil em todas as infecções do trato respiratório  bem como para proteger e tonificar a pele. Dica: 1 gota de niaouli no seu creme de noite será suficiente para beneficiar da acção tónica cutânea deste óleo essencial.

Palmarosa (Cymbopogon martini): “de fragrância muito agradável, eis um óleo essencial a lembrar para as afecções cutâneas. Dica: “no quotidiano 1 gota de palmarosa e 1 gota de alfazema latifólia, no seu creme de dia, regulará a secrecção sebácea, hidratará a sua pele e auxiliará a regeneração das células cutâneas.”

Perpétua das areias (Helichrysum italicum): “a perpétua fornece um óleo essencial excepcional, raro e precioso. É o produto natural e vegetal com a actividade anti-hematoma mais poderosa. Indispensável no estojo familiar de primeiros socorros, este óleo faz autênticos milagres.”

Ravintsara (Cinnamomum camphora): “para todas as afecções virais, este óleo essencial salvar-vos-à rapidamente de todas as complicações. A esta acção anti-viral, junta-se uma acção expectorante.” (Baudoux) Dica: “durante as epidemias gripais de inverno, 6 gotas em aplicação local na planta do pé ou sobre o tórax, de manhã e à noite, protegerão contra as agressões virais”

Tomilho (Thymus vulgaris qt linalol): para uma acção estimulante, 3 a 4 gotas ao longo da coluna vertebral e/ou sobre o plexo solar.”

Precauções de emprego dos óleos essenciais:
  • Por precaução e excesso de prudência, durante os 3 primeiros meses de gravidez, está interdito o uso de óleos essenciais. Apenas o médico ou aromaterapeuta pode assumir essa responsabilidade;
  • Aconselhe-se com o seu médico antes de utilizar óleos essenciais se tomar alguma medicação ou tiver algum problema de saúde (epilepsia, hipertensão arterial, etc.);
  • As pessoas com tendências alérgicas, deverão tomar a precaução preliminar de fazer um teste alérgico aos óleos essenciais que vão usar;
  • Não aplicar óleos essenciais em estado puro na pele sensível;
  • Evitar o contacto com os olhos e mucosas;

Sobre a Pranarôm

A Pranarôm Internacional S.A. é um laboratório especialista em aromaterapia científica, fundado em 1991 por Dominique Baudoux, farmacêutico e aromaterapeuta mundialmente reconhecido e admirado pelas suas numerosas publicações nessa área. Próxima dos seus artesãos-destiladores e actor empenhado no desenvolvimento sustentável e no cultivo responsável de plantas aromáticas, a Pranarôm assegura a disponibilidade de matéria prima selvagem ou com certificação biológica e controla a qualidade dos seus óleos essenciais, da planta até ao frasco, garantindo-vos óleos essenciais quimiotipados e botanicamente certificados, 100% naturais e puros.

Créditos/Bibliografia

Todos os conteúdos deste artigo (excepto quando têm outra indicação) foram retirados do livro “Óleos essenciais quimiotipados” (2015) da Pranarôm. Autores Dominique Baudoux e M.L. Breda. Editor responsável: J.O.M.

oleos-essenciais

Todas as imagens deste artigo são propriedade da Pranarôm

Baudoux, Dominique (2012). L’huile essentielle à tout les étages. Bruxelles: Éditions Soliflor

Davis, Patricia (1996). Aromaterapia. São Paulo: Martins Fontes.

Aviso

O conteúdo, a informação e as sugestões contidas neste artigo não podem ser entendidas como prescritivas. Qualquer tentativa de resolver um problema de saúde deve sempre ser feita com o auxílio de um técnico de saúde devidamente qualificado.

15 óleos vegetais para promover a saúde e a beleza*

untitled-design

“Os óleos vegetais são extractos lipídicos preciosos, utilizados há milénios para promover a saúde e a beleza. Apenas os óleos vegetais virgens, ou seja, obtidos após a primeira pressão a frio, têm qualidade terapêutica, pois conservam todos os seus componentes (ácidos gordos essenciais, vitaminas, insaponificáveis, antioxidantes…). Os óleos biológicos são sempre virgens e têm uma etiqueta que garante que a planta de onde foram extraídos foi cultivada de acordo com os princípios da agricultura biológica”*.

15 Óleos Vegetais*

Abacate: um óleo muito hidratante para o corpo, cabelo e rosto; é um dos poucos óleos que contêm ácido palmitoléico, valioso para a proteção das membranas celulares. Este óleo suaviza e amacia como nenhum outro a pele fina e os cabelos quebradiços;

Amêndoas doces: óleo suavizante e protector por excelência, o OV de amêndoas doces é uma base perfeita para misturas de aromaterapia para cuidados com o corpo;

Argão: um óleo anti-envelhecimento reparador e protector da pele, rico em vitaminas e antioxidantes;

Arnica: um macerado precioso para tratar as pequenas feridas das férias ou do desporto. Também é indicado para problemas de articulações. músculos e inflamações;

Borragem: as suas preciosas sementes contêm um tesouro para a saúde e beleza (ideal para a pele madura); “é usado para tratar queixas pré-menstruais, problemas reumáticos, eczema e outras afecções cutâneas crónicas (**)”

Calêndula: o mais suave dos macerados oleosos, com efeitos anti-inflamatórios, antialergénicos e antipruriginoso. São principalmente os insaponificáveis e o fitosterol contidos neste macerado que o tornam num óleo calmante. A calêndula é uma boa amiga do bebé e das peles sensíveis, para acalmar ou reduzir a comichão.

Calófilo ou Tamanu: é o óleo da circulação e da cicatrização por excelência. Sabe-se que melhora e aumenta a circulação ao mesmo tempo. É também um aliado formidável na luta contra as rugas;

Caroço de Alperce: um dos óleos mais suaves e versáteis. É bem tolerado por todos, até mesmo bebés ou pessoas com pele sensível. Ideal para levar consigo nas férias, tanto para preparar a pele para o sol, como para os cuidados depois da praia ou quotidianos.

Cenoura: um macerado vitaminado que ajuda a preparar a pele para o bronzeado e ilumina a tez;

Cominho Preto: o óleo de elite no antigo Egipto, ideal para ajudar a tratar problemas de pele. Tem propriedades rejuvenescedoras;

Hipericão: um macerado oleoso cicatrizante, reparador, calmante e anti-inflamatório. Este óleo também descongestiona qualquer problema vascular ou edematoso;

Jojoba: uma cera vegetal líquida, com boa afinidade com a pele que permite todas as aplicações cosméticas e anti-envelhecimento, mesmo nas peles oleosas. Penetra facilmente na pele e deixa-a acetinada. Ajuda a regular as secreções sebáceas e a embelezar o cabelo, fino e quebradiço;

Neem: tem propriedades antibacterianas, antivirais, antifúngicas e insecticidas. Devido às suas propriedades, é indicado para o tratamento de eczema e erupções cutâneas. Também é adequado para tratamentos capilares: alivia o prurido e evita o aparecimento de caspa. Pode ajudar a prevenir e aliviar infecções e inflamações das gengivas.

Onagra: as sementes de onagra produzem um óleo rico em ácido gordo gama-linolénico (ómega 6) usado durante séculos nas massagens ou remédios; alguns consideram este óleo bom para as inflamações crónicas, mas também para os desiquíbrios hormonais da (pré-)menopausa;

Rosa Mosqueta: este óleo precioso promove a regeneração cutânea e o efeito “lift” da pele;

Receitas Práticas

Acne: após limpar o rosto sem utilizar sabão e da eventual aplicação de uma loção tonificante sem álcool ou de um hidrolato, massaje de manhã e à noite 3-5 gotas da mistura 10ml OV de cominho preto+ 10 ml de OV de Jojoba. opção: aromatizar a mistura de 20 ml adicionando 5 gotas de OE de árvore do chá e 5 gotas de OE de alfazema

Artrite e Artrose: massajar até 6 vezes por dia as áreas doridas com algumas gotas de óleo de arnica. opção para uma acção mais rápida: aromatizar a mistura de 20 ml de OV de arnica + 1o ml de OV de calófilo/tamanu com algumas gotas de óleo essencial de eucalipto citriodora e de gaultéria

Caspa: 1 a 2 vezes por semana, massaje a cabeça com 1 a 3 colheres de sopa de óleo de cominho preto. Aqueça o óleo nas mãos e de seguida massaje o couro cabeludo. Deixar debaixo de uma toalha quente durante, no mínimo, 1 hora ou durante uma noite inteira. Enxague utilizando um champô suave.

Eczema: para os adultos, massaje diariamente as áreas afetadas com algumas gotas de óleo de borragem, de onagra ou com uma mistura de ambos. Se o prurido for muito forte, opte por um macerado de calêndula e/ou manteiga de karité.

Pernas pesadas: massajar as pernas com algumas gotas de OV de calófilo/tamanu, de baixo para cima. Para maior eficácia aromatize com algumas gotas de óleo essencial de hortelã-pimenta, cedro, patchouli e cipreste

Pós-barba: massajar a pele utilizando 4 gotas da mistura de 10ml de OV de Jojoba + 20 ml de OV de calêndula. Opção: aromatizar a mistura de 30 ml adicionando 5 gotas de oe de árvore do chá e 5 gotas de oe de loureiro ou de lavandim

Rugas: uma massagem diária no rosto com algumas gotas de OV de rosa mosqueta, argan, de borragem, de jojoba e/ou de caroço de alperce pode fazer maravilhas. Aqueça sempre as gotas do OV seleccionado entre as palmas das mãos, antes de massajar a face de dentro para fora, de cima para baixo. Massaje as rugas em pequenos movimentos circulares.

Rosácea: depois do banho, aplicar de manhã e à noite sobre as zonas vermelhas 2 ou 3 gotas de um dos seguintes óleos vegetais: macerado de arnica, de calêndula ou de calófilo ou uma mistura dos três. Massaje suave mas longamente, o tempo suficiente para permitir a absorção. De seguida aplicar o creme que utiliza de dia ou de noite sobre esse “sérum” anti-rosácea. Para uma maior eficácia aromatize o óleo de massagem com algumas gotas de óleo essencial de perpétua das areias.

*informações retiradas do livro óleos vegetais: fonte de saúde pérolas de beleza: mais de 50 receitas práticas. Autores: D. Baudoux, J. Kaibeck e A-F. Malotaux

**Chevalier, Andrew (1998). Enciclopédia de plantas medicinais. Lisboa : Selecções do Reader’s Digest.

Encontra estes óleos vegetais na nossa loja online: https://www.circulobio.pt/loja-oleos-base-aromaterapia

AVISO: a informação contida neste artigo destina-se a fins educacionais e não substitui, de forma alguma, aconselhamento com um profissional de saúde.

Remédios Caseiros 2: pomada para ajudar a aliviar dores

pomada-de-gengibre-caiena

Esta pomada ajuda a aliviar dores nas articulações e nos músculos.

PIMENTA-DE-CAIENA

Os principais ingredientes activos são os capsaicinóides, particularmente a capsaicina, que quando aplicada sobre a pele é um analgésico eficaz (1).

GENGIBRE

As propriedades anti-inflamatórias e analgésicas do gengibre podem ajudar a aliviar dores musculares e as dores crónicas associadas à artrite.

AÇAFRÃO-DA-ÍNDIA (curcuma)

Tem sido utilizada há milhares de anos na medicina indiana e chinesa. A curcumina é o seu principal componente activo que actua como agente anti-inflamatório (1).

Receita

Estes ingredientes por si só já tornam a pomada eficaz mas poderá também adicionar óleos essenciais, como por exemplo, o óleo essencial de gaultéria…

Procedimento

  • Colocar o azeite e as especiarias num recipiente e levar ao lume (brando) em banho-maria durante 30 a 60 minutos.
  • Retirar do lume e coar com um saco ou coador de pano. Espremer bem.
  • Colocar o óleo infuso e a cera de abelha num recipiente e levar ao lume em banho-maria para derreter a cera. Retirar do calor quando a cera de abelha estiver completamente derretida. Se quiser adicionar óleos essenciais, faça-o nesta fase.
  • Deitar a mistura em boiões de vidro.

Como utilizar

Fazer uma massagem com uma pequena quantidade desta pomada nos músculos ou articulações doridos. Se utilizar esta pomada para dores crónicas/artrite, recomenda-se a utilização diária (pode levar uma a duas semanas até começar a ver resultados).

Precauções

  • Não utilizar internamente.
  • Não aplicar a pomada em feridas ou cortes abertos.
  • Não utilizar esta pomada se estiver grávida ou a amamentar.
  • Manter afastado das crianças
  • Evitar contacto com os olhos e mucosas
  • Lavar muito bem as mãos depois de utilizar esta pomada, ou utilizar luvas durante a aplicação
  • Experimentar previamente a pomada numa área pequena se não provocar desconforto prolongado, aumente a área de aplicação.
  • Se utilizar esta pomada nas mãos, evitar tocar nos olhos e no nariz, deixar a pomada actuar durante alguns minutos e depois lavar muito bem as mãos.

 Nota: Esta informação destina-se a fins educacionais e não substitui, de forma alguma, aconselhamento com um profissional de saúde.

Fontes consultadas:

(1) Selecções do Reader’s Digest. O poder curativo das vitaminas e dos minerais

Receita retirada do site da Herbal Academy of New England (pode consultar aqui)

Créditos imagem – Zsuzsanna Kilian

Para um inverno saudável com a Pukka*

inverno-saudavel

Para nos mantermos saudáveis durante o Inverno, temos ao nosso dispor, alguns remédios simples e naturais, há muito utilizados, como por exemplo as bagas de sabugueiro.

Bagas de sabugueiro: o fruto maravilha 

As bagas de sabugueiro são o fruto produzido pelo sabugueiro e colhido no início do Outono. Contêm componentes com propriedades anti-virais e anti-inflamatórias incluindo vitamina C, antocianinas, lignanas e flavonóides que lhes conferem um efeito imunomodelador. A investigação demonstrou que esta planta consegue impedir a instalação do vírus da gripe bem como acelerar a recuperação.

Então como actuam as bagas de sabugueiro?

As bagas de sabugueiro ajudam a inibir a acção da enzima neuraminidase, prevenindo assim a propagação do vírus da gripe. Um estudo levado a cabo por Zakay-Rones em 1995 sobre o efeito do extracto de bagas de sabugueiro em pacientes com sintomas de gripe revelou que 90% dos pacientes que tomaram o extracto recuperaram completamente em 3 dias enquanto que o grupo placebo demorou 6 dias a recuperar. Os investigadores também descobriram que os pacientes que tomaram o extracto de bagas de sabugueiro apresentavam níveis mais altos de anticorpos contra o vírus da gripe.

O xarope de sumo de bagas de sabugueiro ajuda a acalmar a irritação das membranas mucosas e a tosse. As qualidades anti-espasmódicas do sabugueiro aliadas a sua acção expectorante, ajudam a aliviar os espasmos dolorosos e, ao mesmo tempo, a limpar o sistema respiratório. O xarope de sabugueiro da Pukka é adequado para qualquer pessoa a partir dos 2 anos de idade e é elaborado com sumo concentrado de bagas de sabugueiro e outras plantas (tomilho, rábano, gengibre, etc). Uma dosagem diária deste xarope de sabugueiro fornece 12,000mg de sumo de bagas de sabugueiro concentrado.

Experimente também estas plantas/infusões/remédios:

  • Gengibre:  a especiaria da terra, calmante e quente. Ralar uma pequena quantidade de gengibre fresco e adicionar, juntamente com limão fresco, a uma chávena com água quente. Ou saboreiem a infusão Pukka Limão, gengibre e mel de manuka mal sintam que estão a ficar constipados.
  • Trikatu: mistura de gengibre, pimenta preta (piper nigrum)e pimenta longa(piper longum); útil em caso de constipação, congestionamento, etc. Misturar meia colher de chá com mel ou juntar ao vosso chá preferido.
  • Equinácea: esta flor ajuda a aumentar as defesas naturais do organismo. A infusão biológica da Pukka Equinácea & Sabugueiro combina duas plantas poderosas numa única infusão.

* este texto é uma tradução adaptada do texto escrito por Sebastian Pole co-fundador da marca Pukka; podem ler o artigo original aqui

Lexy o menino vegano

lexy-o-menino-vegano

Recentemente tivemos a oportunidade de colaborar num projecto inspirador e cheio de amor da Bárbara Magalhães: Lexy o menino vegano

Um livro que “explica o veganismo de uma forma divertida e fácil de entender, para as crianças e adultos”; com as fantásticas ilustrações da talentosa Tânia Bailão Lopes

Bárbara, a autora do livro, é vegana há 7 anos e é mãe de um menino vegano que inspira a personagem do livro.

O veganismo é uma opção de vida que procura eliminar toda e qualquer forma de exploração animal ou como diz o Lexy, um vegano “é alguém que come, brinca, se veste e se cuida sem aborrecer e magoar os animais que vivem connosco neste planeta chamado Terra“.

Hoje partilhamos convosco uma pequena entrevista que fizemos à autora do livro.

Como surgiu a ideia deste livro?

A ideia surgiu durante a gravidez do meu filho, quando andei à procura de literatura infantil sobre veganismo e verifiquei que não existia nada em português. Na altura encomendei um livro dos EUA, mas achei-o pesado para a idade dele, porque se focava mais na descrição do sofrimento dos animais. Embora isso seja um facto e o motivo pelo qual eu me tornei vegana, não lhe queria passar a mensagem de forma tão crua naquela etapa.

Ao longo dos anos, fui participando em fóruns de famílias vegetarianas e fui assistindo aos dramas que se vivem em tantas escolas e casas, e isso motivou-me ainda mais a avançar com este projecto. Queria fazer um livro que transmitisse, de forma leve e divertida, uma realidade que faz parte do dia-a-dia de tantas pessoas, uma realidade que não é só a realidade de meia dúzia de seres humanos, mas a realidade de milhões de pessoas em todo mundo! Embora o meu filho e outras crianças frequentem escolas onde são os únicos vegetarianos, a verdade é que há muitas crianças espalhadas pelo país e pelo mundo, que têm a mesma forma de viver. É importante mostrar que o veganismo não é coisa duma minoria ou dum bando de esquesitóides. O veganismo existe e cresce todos os dias.

O que te levou a adoptar este estilo de vida?

Tornei-me ovolactovegetariana depois de assistir a um programa sobre a exploração de animais. Para mim foi um choque tremendo e até hoje me interrogo como não me questionei sobre o que tinha no meu prato, bem à minha frente, todos os dias. A dessensibilização é, de facto, um fenómeno impressionante. Durante 10 anos ainda consumi ovos e lácteos, com períodos mais ou menos longos de vegetarianismo estrito, mas em 2009 decidi que era altura de parar com as desculpas e dar o passo que tinha de dar. Ao eliminar os lácteos e os ovos do meu cardápio, o impacto na minha saúde foi tanto, que me motivou ainda mais a manter a minha opção, sem voltar a recuar. (https://barbaraword.wordpress.com/2015/02/23/o-melhor-passo-que-dei-pela-minha-saude/).

Quais os benefícios do veganismo? 

Com o veganismo deixamos de alimentar uma indústria que promove o sofrimento de biliões de animais e que provoca a destruição dos solos, das florestas, das águas e do ar que respiramos. Não só ajudamos directamente os animais, como ajudamos a preservar o planeta. Além disso, ao retirarmos os produtos animais da nossa alimentação, estamos a poupar a nossa saúde. Eu não conheço nada que o Homem use como alimento, que provoque mais problemas de saúde que os lacticínios (e sei que muita gente não concordará, mas o meu conselho é: testem!).

Quais as maiores dificuldades que encontraste enquanto mãe vegana?

Felizmente já me sentia fortalecida o suficiente para não me deixar amedrontar pelas previsões de médicos, vizinhos, familiares, amigos e desconhecidos. Também já conhecia profissionais de saúde que são vegetarianos e por isso apoiavam a minha forma de me alimentar e cuidar a 100%. Mesmo assim, é sempre chato ter de lidar com ameaças e acusações, como se estivéssemos a negligenciar os nossos filhos. Se uma criança não-vegetariana está pálida, “oh, isso é porque sai ao pai, que é branquinho”, mas se for vegetariana “ai, meu Deus, de certeza que está anémica porque não come carne”. Uma criança não vegetariana espirra “ai coitadinho, está frio”, mas se é vegetariana “ui, isso é falta de proteína!” …

Quais os teus conselhos para quem está a passar pelas mesmas dificuldades?

Em primeiro lugar, informem-se sobre o vegetarianismo. É muito mais fácil ter uma gravidez, um bebé ou uma criança vegetariana, quando se está confortável com a opção que se tomou. Se alguém se torna vegetariano, mas continua a achar que o leite até fazia bem, ou que a carne tem algum aminoácido raro que precisa ser compensado, vai ter problemas, vai amedrontar-se quando um médico desinformado disser que a carne é fundamental, vai aterrorizar-se quando alguém lhe disser que o filho está branco porque lhe falta o ferro xpto do fígado. Informem-se! Ganhem segurança para poderem ver além do preconceito alheio, para poderem ver além da ignorância que tantos profissionais de saúde demonstram em relação a este assunto.

Procurem conhecer outros vegetarianos e ter contacto com profissionais que entendam esta opção (dei alguns contactos no livro). Quase todos nós que somos vegetarianos, vivemos numa família que come “de tudo”, mas com as redes sociais, por exemplo, é muito mais fácil conhecermos gente que seguiu o mesmo caminho. É bom vermos que não estamos sozinhos, é bom podermos falar com quem nos entende e respeita. Quanto mais informados e em paz estamos com a opção que tomamos, menos os ataques dos outros nos atingem. Conviver com outros vegetarianos, conversar com quem já está neste caminho há mais tempo, ajuda-nos a desmistificar muitas ideiazinhas que se espalham como verdades absolutas.

Alegrem-se pelo passo que deram, alegrem-se por verem além, alegrem-se por poderem ajudar outros a verem também. Somos muitos!!

___________ . ___________

E nós, vamos acompanhar o Lexy numa viagem colorida e divertida pelo mundo do veganismo?